21 outubro 2007

BREVES

O meu post desta semana é um comentário breve sobre alguns acontecimentos.

O Congresso Internacional de Animação Sociocultural realizado em Lucerne foi realizado, como estava previsto, entre 26 e 28 de Setembro passado. A sua organização esteve a cargo, entre outras pessoas, para nós ilustres desconhecidos, do nosso amigo e colega Jean-Claude Gillet.
Não temos ainda nenhum feed-back sobre a forma como decorreram os trabalhos. Seguramente, se a organização estivesse sobre a responsabilidade total de Jean-Claude, teríamos já, nesta altura, informação on line. Também não temos feed-back porque, de Portugal, pessoas ligadas à área, e ao movimento de ASC que temos vindo a desenvolver, não esteve nenhuma presente. Assim como não estiveram presentes muitos dos nossos colegas espanhóis, à excepção do Victor Ventosa que foi um dos conferencistas. Para além disso, os nossos amigos latino-americanos, que habitualmente atravessam o Atlântico para estarem presentes nestes eventos sobre ASC, como protesto, resolveram não participar no Encontro. Como se lembram a organização do encontro esteve renitente quanto à integração da língua castelhana no congresso e só depois de muitos protestos admitiram essa hipótese. De qualquer modo, a forma como decorreu este processo não agradou aos amigos hispânicos e por isso marcaram presença… com a sua ausência.

Está on line o Forum da APDASC. Continuamos, em Portugal, a ter dificuldades em utilizar este equipamento como espaço de comunicação formal. Daí a pouca participação, assim como a pouca profundidade em análise e reflexão relativamente a temas que poderiam ser interessantes debater. A ausência é extensiva simultaneamente a animadores(as) e a formadores(as). Daqui faço um apelo à participação e à problematização constante sobre estas matérias no espaço do Forum http://apdasc.forumvila.com/

Iniciou-se o ano lectivo de 2007/2008. Muitas surpresas, negativas, quanto às vagas disponibilizadas e às vagas preenchidas no ensino superior em geral e nos cursos de animação em particular.
São muitas as razões: as dificuldades, cada vez maiores, de encontrar emprego; a credibilidade dos cursos e das áreas de formação; a questão do litoral e do interior do país; a moda, que se traduz num boom de novos cursos, como por exemplo o de serviço social. Enfim, variáveis que determinam a partir de agora surpresas que oscilarão frequentemente entre o agradável e o desagradável.
É imperativo, cada vez mais, do ponto de vista da animação e do animador, trabalhar-se os estatutos profissionais, para que a profissão possa demonstrar o carácter da sua emergência, utilidade e importância no desenvolvimento local e regional.

A Delegação da APDASC da Madeira, pelas mãos do Albino Viveiros, publicou a primeira edição http://revistapraticasdeanimacao.googlepages.com/ da Revista Electrónica “Práticas de Animação”. Se me permitem, entre os textos que constituem o acervo desta edição, todos de grande qualidade, gostaria de sugerir uma leitura atenta ao artigo da Profª Ana Lavado, da Escola Superior de Educação de Beja, que trata das relações da ASC com as memórias e com o esquecimento.

Para terminar gostaria também de vos sugerir a consulta a um site que percorre o mundo da cultura, onde estão presentes imensos artigos de grande qualidade sobre literatura, crítica literária, ensaios, teatro, artes plásticas, etc., de autores de várias partes do mundo, uns já credenciados e outros a iniciarem a sua relação com o mundo da cultura e da arte. Visitem pois a Revista Electrónica AGULHA. http://www.revista.agulha.nom.br/